Caso não queira "logar" para realizar um COMENTÁRIO, utilize a opção ANÔNIMO e se identifique, se achar viável, no final do comentário.

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Aceitar é fácil, entender é necessário.

Já passou pela sua cabeça, que para realizar suas criações e destruições, o Universo infinito faz uso de uma mecânica complexa e completa de ações e reações internas que as executam? E não apenas acontecem?

20 comentários:

  1. Sempre me fiz a pergunta do que e como acontece todo o universo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Universo não teve começo, existe, e não terá fim.É incomensurável no quesito espaço, isto é, não tem limites ao norte, ao sul, ao leste ou ao oeste. E se o espaço é infinito a matéria contida nele também é infinita.

      Excluir
  2. Prezado Osmar Cesar,

    Acompanho com atenção este mundo cósmico e gostaria de entender do que está falando?

    Roberto Oliveira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que procuro explicar no Orbe Teorum por meio de postulados, propriedades físicas é como se dá a criação de uma galáxia,depois o surgimento do Sistema Solar e do nosso planeta e como a vida surgiu na Terra.

      Excluir
  3. Sim, mas até pra pensar a respeito dá "nó" na minha mente! São muitas teorizações sobre esse assunto: formas de criação e destruição. O que gera essas ações e reações que me intriga! Que força/energia coordena tudo isso?

    ResponderExcluir
  4. Caro leitor. O Universo infinito é preenchido também por uma essência também infinita, e essa essência é ordenada por propriedades físicas(Leis físicas), que fazem com que ela se agregue, formando corpos celestes como Galáxias, Sistemas Solares entre outros. São essas questões que procuro de forma simples responder em meu Livro o Orbe Teorum.

    ResponderExcluir
  5. Prezado Osmar, Estou lendo agora seus pensamentos e já discordei da sua primeira proposta de que o universo não teve um início. Eu acredito que tudo tem um início, pode até não ter fim. Eu também escrevi um blog:"Olhando o Universo" e trata deste mesmo assunto. Dizer que não teve início, complica muito as coisas. Dá um ar de religiosidade. vou ler mais um porco para ver se entendo melhor. Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Alberto primeiramente quero felicitá-lo por seu blog Olhando o Universo&Quot, e também a sua pessoa por sua iniciativa de discutir o assunto de criação e evolução do Universo.
      Cada um de nós desenvolvemos nosso imaginário com aquilo que lemos e observamos no decorrer de nossa vida, eu imagino o espaço do Universo infinito e a matéria nele também infinita, pois se o espaço é infinito e se a matéria contida nele fosse finita não haveria a criação de campos de massa (Galáxias),pois a permeabilidade por unidade de área tenderia a zero.
      Tomando este pensamento como base, imagino que quando a permeabilidade da matéria de um quadrante do Universo tende a zero as galáxias da periferia do local lançam
      novas super estrelas que se transformam em novas galáxias preenchendo novamente o quadrante, e esses ciclos de iniciação se repetem eternamente.
      O Universo sendo infinito qualquer lugar que escolhermos é o centro do Universo, um ponto numa folha de papel na Terra pode ser o centro, como também qualquer ponto num planeta na galáxia de Andrômeda .
      Sobre a Teoria do Big Bang onde toda a matéria teria convergido para um núcleo e depois iniciado um ciclo de expansão, antes teria que ter um campo gravitacional que convergisse essa matéria para esse núcleo, o que não existe, pois para ter um campo gravitacional teríamos que ter uma descontinuidade do espaço campo de partículas do estrato primário que tendesse de um núcleo para o espaço infinito. O que não percebemos nos campos de galáxias até hoje observadas.Alberto,Abraços

      Excluir
    2. Obrigado pelas dicas que me deu, nestas poucas palavras. Eu não sabia que a explicação que eu dei sobre o espaço fosse tão icompreensível. O que eu quis dizer é que o espaço e o tempo, são infinitos a energia seria praticamente infinita. A matéria é finita. Ela esta sendo criada indefinidamente, ou melhor, a energia é que está sendo criada e se transformando em matéria, infinitamente. Portanto, em um determinado momento do tempo, ela é finita, mas não para de ser criada, exatamente como a energia. Vou consertar este erro, obrigado. Quanto ao centro do universo, eu continuo acreditando que ele tenha um centro, como tudo no universo. Veja a foto ou o vídeo do sátélite COBE ou o outro, no início do blog. Existem matérias condensadas em um bloco elípitco. não foi detectado matéria depois. Isto também é muito lógico. Obrigado e podemos continuar nossa discussão.

      Excluir

    3. Caro Alberto.
      Saudações.

      Li todo o seu blog, Um item que podemos citar como parâmetro de raciocínio é que as irradiações de fundo (micro-ondas) existem , ou são resíduos de um núcleo preexistente (big Bang), ou são emitidas por um vórtice , núcleo de matéria escura super concentrada, que tenha rotação proporcional ,a velocidade e picos das micro-ondas detectadas pelo COBE.
      Excluindo as galáxias emissivas.
      Esse vórtice além de alta velocidade rotacional também tenha movimento de deslocamento no lastro do Universo.
      E que além de ter um ciclo rotacional pelo equador inverta-se o eixo de rotação , então por milhões de anos emitirá micro ondas com spin + (matéria) e após inversão emitirá micro ondas com spin ─ Anti-matéria
      E onde os picos de ondas de spins contrários se interarem criaram-se fótons
      ou pacotes de energia e esse fótons contrario se agregaram criando os primeiros elementos pesados e núcleos dos grandes conglomerados de massa.
      Ou seja, núcleos de agregação de partículas e massa.
      Numa linha de raciocínio sigo um parâmetro, energia, matéria e massa.
      Trocando ideias.

      Excluir
  6. Caro senhor, eu sou leigo no assunto, não sei se a pergunta é pertinente a sua proposta do blogue, gostaria de saber sobre a formação do sol, como pode ser tão distinto dos planetas, de onde vem ou como pode possuir todo esse poder de calor?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro amigo, no meu livro, Orbe Teorum uma estrela como o Sol, junto com mais 200 a 250 bilhões de estrelas que formam nossa galáxia derivou de uma estrela de primeira magnitude (a maior), ou seja, por leis e propriedades físicas um glóbulo de uma estrela, deu origem ao Sol.
      E os glóbulos do Sol, revertidos no passado, pelas mesmas propriedades formou-se a Terra e os outros planetas, satélites e cometas.
      A diferença de temperatura. O Sol tem o “Dínamo Solar” no núcleo, em que desintegra átomos ou partículas continuamente e sua massa e formada de glóbulos, que também têm núcleos com dínamos menores, que desintegram partículas que são irradiadas e chegam até terra, nos dando a sensação de luz e calor.
      A Terra tem seu dínamo no ápice, que cria o campo magnético, mas seu campo de massa é formado pelos atomos, mesmo assim, esse campo magnético agita os átomos formando o Magma, massa líquida pastosa e quente.
      E no limite em que as forças de atração entre os átomos são mais fortes que as do campo magnético. Os átomos são estáveis formando a massa da Crosta em que vivemos.

      Excluir
  7. Grato, por enriquecer meus conhecimentos sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  8. Agora gostaria de saber sua posição sobre a suposta existência do planeta "x" ou Nibiru... é mito ou existe a possibilidade de existir esse planeta que passa pelo nosso sistema solar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro amigo Felipe Marcos, os cientista da Califórnia, dizem que o planeta em questão tem um período orbital de mais ou menos 20.000 anos, estabelecendo que o sistema Solar tenha de 4 a 4.5 bilhões de anos, em cada milhão de anos, hipoteticamente o Nibiru passou próximo a Terra 50 vezes, em cada bilhão de anos passou 50 milhões de vez multiplicando por 4.5 daria 225 milhões de vez que ele passou próximo a Terra.
      Então em questão de probabilidade temos 1 para 225 milhões de que aconteça, se ele existir, por esse parâmetro, podemos ficar despreocupados.
      Existe um princípio que é o da Exclusão Orbital, que para um corpo celeste estabelecer sua orbita de translação em volta do Sol, seja, elíptica,
      circular, ou oval, sua massa vezes velocidade ou quantidade de movimento tem que excluir todos os corpos que encontrar em seu caminho na primeira trajetória, e nas voltas subsequentes por milhares de anos ele vai excluindo os corpos cuja orbita adentre seu campo gravitacional expelindo ou atraindo-os.
      Concluindo, tem sim a possibilidade dele existir, mas não que vá atingir a Terra.

      Excluir
  9. Eu que agradeço, pela troca de ideias, saudações

    ResponderExcluir
  10. Meu Prezado amigo, Seu César
    Primeiramente gostaria de lhe parabenizar pelo blog. Sucesso!

    Seu César, aqui o senhor afirma que para que para realizar construções e destruições, o universo infinito reliza uma mecânica complexa de ações e reações internas. Diante do enunciado, o senhor poderia falar um pouco sobre essas ações e reações internas.

    FABIO FARIAS

    ResponderExcluir
  11. Caro amigo, o meu livro é sobre como se formaram as galáxias e os sistemas planetários. Uma galáxia tem de 200 a 250 bilhões de estrelas.
    Eu me perguntava o quê fez com que bilhões de estrelas se aglomeravam em torno de um núcleo, além de formarem os braços galácticos, a primeira pergunta era que leis físicas e propriedades determinaram tais estruturas?
    No segundo grau apreendemos que um elétron quando pula de um orbital mais afastado do núcleo para outro orbital mais próximo do núcleo ele emite um quanta de energia, e Einstein previu que se excitasse os eletróns com feixes de luz ele saltaria de um orbital mais próximo do núcleo pra um mais afastado, e absorvia um quanta de energia.
    Usando como comparação, quando uma estrela de primeira magnitude sai do campo de partículas da galáxia da qual pertence e adentra campo de partículas do estrato primário do Universo (Campo de partículas entre as galáxias).
    Os glóbulos da primeira camada da parte externa na linha equatorial dessa estrela são os primeiros a se interar com esse novo campo de partículas e se revertem, ao espaço circunvizinho, essa reversão se dá primeiro na linha equatorial e cada camada de glóbulos forma um braço galáctico e a proporção que esse novo campo de partículas penetra na estrela, como reação de glóbulos de mesmos spins toda massa restante e revertida ao redor do núcleo da antiga estrela formando uma nova galáxia.
    A mesma propriedade se aplica quando uma estrela passa do campo descontinuo próximo ao núcleo para o campo continuo da galáxia formando os sistemas planetários.
    E num ciclo contínuo e eterno a medida que as galáxias de um quadrante do Universo se extinga, galáxias mais novas lançam novas super estrelas que darão origem a novas galáxias preenchendo o quadrante antes vazio.
    Caro amigo, obrigado pela pergunta, pois foi a primeira vez que pude explanar de forma reduzida as minhas ideias.

    ResponderExcluir
  12. Qual a pedra fundamental em tal teoria ?
    pergunta de Paulo Fernandes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado, desculpe a demora na resposta, pois estava realizando alguns estudos.
      Bem, no que tange em o que fundamenta minha teoria a resposta é: MOVIMENTOS ROTACIONAIS.
      O aprofundamento desta questão você encontrará em meu livro que em breve estará disponível para download.

      Excluir

A Essência da Força Gravitacional

Admitindo que exista um corpo no espaço, na trajetória orbital da Terra, como no lugar não há gravidade o corpo ficará imóvel no espaço. No...